[ editar artigo]

O que esperar quando se está esperando: a realidade na gestação de uma mulher que empreende

O que esperar quando se está esperando: a realidade na gestação de uma mulher que empreende

Dia das mães chegando! Tantas mulheres serão presenteadas, homenageadas... Mas será que a realidade é essa, tão "bonita", que as campanhas de publicidade mostram? Calma! Sou mãe e tenho maior orgulho disso! Inclusive, estou vivenciando minha segunda gestação, mas em um momento diferente da minha vida: empreendendo! E com tudo que já passei nesses meses, além desta data que se aproxima, não poderia deixar de compartilhar minha experiência de motivações,mas principalmente de negações e dúvidas.

 

Eu gostaria de contar toda a história desta gestação, que já começou de forma diferente: eu descobri que estava grávida com 18 semanas, ou seja, 4 meses e meio (aproximadamente). Mas é muito longa e não é foco. Agora, só o fato de eu ter descoberto com esse tempo já indicia como foi uma surpresa não é? E foi! Nada esperado!

Mas aí já entra um pouco desses espírito de empreendedora - não temos muito tempo para "chorar" ou buscar tantas respostas para o porquê de acontecer algo que não imaginávamos, temos que absorver e agir!

E assim foi comigo. Depois de um 2018 maravilhoso e de construção do meu negócio, passei alguns dias em depressão por acreditar (erroneamente) que este não seria o momento ideal. Logo em seguida entendi que não há momento certo e que não adiantaria nada estar daquela maneira, só faria mal (a mim e à criança).

Então, decidi acolher com responsabilidade, amor e fé, e refazer os planos para 2019. Seria pivotar? Sim! (risos...)

Tive que mudar totalmente os rumos que eu tinha traçado para mim e meus negócios em 2019, mas sem sair do meu propósito, claro. Como atuo sozinha, com apenas alguns parceiros, não seria tão difícil e mais: só dependia de mim! Então, comecei a buscar mais clientes para realizar minhas consultorias em marketing digital, gestão de redes sociais, atletas, etc. Resolvi acreditar no que eu já vinha plantando há alguns anos, com meu nome já "conhecido" no mercado, e fui atrás! Afinal, não seria apenas mais uma "boca" a alimentar, seria mais um ser maravilhoso para gerar!

 

Porém, aí começa a realidade:  neste momento eu já estava com quase 6 meses e minha barriga aparecendo bem! Para mim, tudo normal, afinal, não estou doente, pelo contrário!

Infelizmente, se já existe um certo preconceito para algumas atividades que realizamos como mulher e como  micro empreendedora individual, imagina uma mulher grávida de 6 meses?

Pois bem, começaram a surgir indicações e possíveis clientes. A maioria eu trato quase que exclusivamente online, pelo whatsapp mesmo ou appear, skype, e-mail. Era digital, não é mesmo? E como atuo com clientes de todo o Brasil, e até de fora, esta é a principal maneira de fechar negócios. Só encontro pessoalmente se for mesmo necessário,se o cliente solicitar ou se for um projeto maior.

 

E então, num dos primeiros negócios que eu estava fechando, um projeto grande até, marcamos um café para verificar melhor alguns pontos e finalizar o contrato. Foi então que descobri a realidade que pode ter acontecido com muitas mulheres na minha situação... no primeiro momento ao me ver já vem o comentário "não sabia que estava grávida." Ok, ninguém mesmo sabia, não foi algo que eu saí escancarando aos quatro ventos. Na sequência, tomamos o café, conversamos como se estivesse tudo bem e finalizado, e ao final da reunião a pergunta: "você vai dar conta, mesmo grávida?". Fiquei até meio sem resposta na hora, mas entendi que seria uma preocupação "normal" e disse "claro! Afinal é minha segunda gestação. Não vejo como isso possa atrapalhar".

 

No dia seguinte, o cliente não respondia, não retornava meus e-mails. Então resolvi esperar. No terceiro dia sem retorno, liguei e tive a resposta: "Decidimos voltar atrás, vamos tocar o projeto sem ninguém de marketing".

Até o momento que não sabiam que eu estava grávida estava tudo bem, após ver minha "barriga" decidiram tocar o projeto sem marketing, um projeto grande e que justamente dependia das ações de marketing para crescer... Impossível! Me senti rejeitada, enganada. Fiquei muito mal, confesso.

Não foi o único caso. Alguns outros aconteceram da mesma forma.

Mas não desisti! Segui firme com a certeza de que quem precisasse e soubesse reconhecer de verdade meu valor como profissional, iria me contratar. Afinal, empreendedores escutam muitos "nãos" primeiro, até encontrar o sim, não é mesmo?

E assim aconteceu! Consegui novos clientes, novas consultorias. Fui convidada para palestras, para dar aulas, tudo já realizado ou programado para o longo do ano.

Muita coisa já aconteceu até aqui, momento que estou chegando às 38 semanas de gestação  - faltam apenas 2 semanas para a Laura nascer. E muita coisa eu aprendi! Este caso que citei acima foi só um dos tantos outros vivenciados. Por isso, deixo aqui algumas lições aprendidas sobre o que esperar, neste período que estamos "esperando" e empreendendo...

  • Esteja preparada para possíveis rejeições - sim, elas acontecem, na maioria de forma "velada"

  • Não tenha medo de dizer/mostrar que está grávida quando estiver fechando algum negócio! Afinal, o que isso mudará? Se você trabalha em casa, como eu, nada! Apenas alguns dias mais "de molho" e só. Depois, bora pra luta diária! Deixe isso claro ao fechar o negócio, antes mesmo que a pessoa questione, será mais fácil de entender se ela irá ter pré conceitos, ou não.

  • Não espere o fim da gravidez, a quarentena, o que for para realizar algo. Vá atrás agora! Desde o início! É muito mais fácil para organizar, fazer projeções de como será após o nascimento da criança.

  • Não desista! Não pense que a gravidez é um algo que irá te tirar do rumo dos seus negócios. Só irá se você quiser! Se não, pelo contrário. Você verá que ela te trará até mais bons frutos de negociação, objetivos, negócios. Tudo depende se você se sente capaz de realizar ou não.

  • Se for preciso, delegue! Contrate quem faça por você ou faça alianças. Isso será muito importante se você achar que poderá, por algum momento, se sentir insegura ou incapaz de entregar um bom trabalho.

  • E por último, não tenha vergonha! Jamais! Você está gerando vida, luz! Só o fato de estarmos empreendendo, correndo atrás de nossos sonhos, e ainda com um lindo ser em nosso ventre, já é para nos orgulharmos de não temer, de encarar a vida de frente e sermos donas de nosso futuro, nossas escolhas!

Aprendi muito com essa gestação e tenho certeza que a Laura irá trazer muita luz e mais prosperidade para minha vida, para meus negócios! Já está trazendo...

E àqueles que acreditaram e acreditam em mim, no meu trabalho, profissionalismo, e seguiram comigo, me apoiando; a estes a minha eterna gratidão e a certeza de que serão recompensados com muito suor, dedicação e competência!

 

Empreende Guria!
Ler matéria completa
Indicados para você